Capacidade produtiva: o que é, por que e como calcular

Quando colocada na ponta do lápis, a capacidade produtiva se torna um grande indicador que deve ser medido e acompanhado por qualquer gestor.

Isso porque, na maioria dos negócios, produzir é uma das atividades mais vitais. Afinal, sem produção, não há como ter venda, certo?

Por esse motivo, conhecer qual é a capacidade produtiva do seu negócio e, indo além disso, desenhar estratégias que visem melhorá-la, pode ser uma virada de chave em seus resultados.

Com uma capacidade de produção completamente otimizada, inúmeros benefícios se tornam possíveis: melhor utilização de recursos (humanos e materiais), aumento da economia e maior satisfação de clientes.

Quer aprender como aplicar isso em seu negócio? Continuando a leitura, você poderá entender o que é a capacidade produtiva, porque e como calculá-la e, mais importante, o que fazer com esse indicador. Veja só:

O que é capacidade produtiva? Conceito e exemplos:

A capacidade produtiva é o número máximo de produtos que uma empresa ou equipe pode gerar num período com os recursos que tem à sua disposição.

Quer um exemplo para entender melhor? Digamos que estamos calculando a capacidade produtiva de uma lanchonete. Ali, em condições normais, a equipe produz 40 lanches a cada 1h. Esse número, então, é a sua capacidade produtiva.

Numa padaria, o número de pães que são feitos nesse intervalo. Um ponto importante é que o referencial de tempo (em nossos exemplos, 1 hora) não precisa sempre ser o mesmo.

O ideal é que seja criado o indicador conforme a realidade do negócio.

Uma padaria, por exemplo, pode querer acompanhar qual é a sua capacidade de produção a cada hora. Uma pizzaria, por outro lado, vê que faz mais sentido acompanhar a sua capacidade produtiva a cada 10 minutos, por exemplo.

Essa variação, de negócio para negócio, é completamente normal!

Saiba que aqui no blog da Castellmaq, produzimos conteúdos voltados para todos esses ramos de negócio. Um exemplo é o post “Mercado da Pizza: tudo que você precisa saber para ter um negócio de sucesso”, que você pode ler mais tarde para se aprofundar em sua área.

Por que acompanhar a capacidade produtiva?

Já adiamos acima, mas agora é a hora de entender na ponta do lápis o poder desse indicativo. Com uma capacidade produtiva bem definida e acompanhada, seu negócio poderá sentir benefícios como:

  • manutenção correta dos níveis de estoque, permitindo que não falte ou sobre matéria-prima por desconhecimento dos níveis de produção;
  • definição de metas assertivas e condizentes com a realidade do negócio (fugindo de metas muito fáceis de serem batidas, ou metas absurdamente altas, que nunca serão alcançadas e que, logo, não gerarão engajamento do negócio);
  • aumento da produtividade da equipe;
  • melhor uso dos recursos disponíveis, sejam eles as matérias-primas ou os equipamentos;
  • possibilidade de tomar decisões mais assertivas, pois os gestores terão uma visão clara de como é a produção do seu negócio;
  • mais facilidade na identificação de erros, defeitos ou anomalias no processo, pois uma pizzaria que sabe que normalmente faz x pizzas em 10 minutos, quando não atender esse parâmetro, poderá saber que há algo de errado e atuar mais cedo no problema.

Em resumo, esse é um indicador que ajuda muito a gestão, seja na análise, no planejamento ou no acompanhamento do negócio. Abaixo, separamos um exemplo para melhor explicar melhor o ponto:

Um açougue sabe que nas festas de final de ano a demanda pelos consumidores sobe. Diante disso, os gestores precisam aumentar a capacidade produtiva da equipe (que é medida pelo número de clientes que são atendidos a cada hora, por exemplo).

Tendo isso bem mapeado, decisões poderão ser tomadas com mais assertividade: o gestor sabe que se contratar duas pessoas temporárias para esse período de festas, poderá aumentar em 40% a capacidade produtiva.

Ou então, se garantir os melhores moedores de carne, poderá aumentar a produtividade dos funcionários sem precisar contratar mais pessoas.

O que será mais econômico para o negócio? Isso é o que precisa calcular e entender!

Percebe como você, enquanto gestor, deve ter esse número na ponta da língua? Se ainda não o calculou, vamos calcular agora.

Como calcular a capacidade produtiva de um negócio?

Para fazer isso, primeiro é preciso ter os seguintes dados em mãos:

  1. Tempo de produção: quanto tempo a equipe toma para produzir cada unidade do produto;
  2. Tempo produtivo: o número de horas que a equipe trabalha efetivamente na produção. Embora a jornada seja de 8h diárias, por exemplo, não são 8h diretas de produção. Determinados momentos do dia a produção não ocorre, seja porque os funcionários estão fazendo os preparativos ou a limpeza após o fim do expediente;
  3. Interrupções na produção: identificadas as horas de produção, esse número talvez ainda não reflita a realidade, pois ao longo do dia é difícil manter a produção rodando ininterruptamente. Em alguns negócios, manutenções podem acontecer ao longo do dia, a pausa para o almoço dos funcionários ou o simples período que estes tiram para ir ao banheiro ou fazer suas pausas. Se esses momentos afetam a produção, eles devem entrar na conta também;
  4. Perdas não calculadas: normalmente, imprevistos acontecem em um negócio… Máquinas com defeitos, falta de recursos, problemas com funcionários e etc. Faça uma média de quanto tempo esses problemas levam para serem resolvidos pois vamos utilizar esse dado nas contas.

Com os dados coletados, faça o cálculo da seguinte forma:

  • calcule a produção ideal fazendo: (tempo de produção) x (tempo produtivo);
  • depois, defina a produção planejada, que leva em conta as interrupções da produção: (produção ideal calculada acima) – (tempo de interrupções);
  • calcule também a produção real: (produção planejada) – (perdas não calculadas)
  • por fim, a capacidade definitiva será definida pela comparação dos dois resultados: (produção real) / (produção planejada).

Exemplo de cálculo de capacidade produtiva

Ficou difícil de acompanhar? Então vamos por parte, com a definição de um exemplo.

Em sua padaria, um empreendedor identificou que:

  • Seu tempo de produção é de 100 pães por hora;
  • O tempo produtivo é de 10h por dia, pois embora a padaria esteja aberta por 12 horas, em 2h a produção não acontece;
  • Interrupções na produção acontecem por 1h, que é o tempo em que os responsáveis pela panificação acabam não efetivamente trabalhando na produção por estarem fazendo outras coisas;
  • E, em média, erros não calculados tomam 1h para serem corrigidos.

Com isso, o cálculo é feito assim:

  • Produção ideal: (100 pães por hora) x (10h produtivas) = 1.000 pães em um dia;
  • Produção planejada: (1.000 pães por dia) – (100 pães que seriam produzidos na 1h de interrupções) = 900 pães;
  • Produção real: (900 pães por dia) – (100 pães que seriam produzidos na 1h gasta com erros não calculados) = 800 pães;
  • Capacidade produtiva: (800 pães de produção real) / (900 pães da produção planejada) = 0.88, ou 88%.

O que fazer após calcular a capacidade produtiva?

No nosso exemplo, a padaria está trabalhando apenas em 88% de sua capacidade produtiva. Diante disso, decisões podem ser tomadas para transformar esse cenário, como:

  • mudar o formato da produção, para que ela não pare no período de almoço dos funcionários;
  • trocar equipamentos, seja para aumentar o número de produções por hora ou para reduzir a necessidade de manutenção;
  • alterações de layout, que permitam a equipe ser mais produtiva;
  • controle mais rígido das horas dos funcionários, para reduzir o tempo produtivo.

Qualquer medida que impacte no número de produção ideal, planejada ou real, será bem-vinda.

E agora, vamos colocar a mão na massa? Depois de ter aprendido o que é, porque calcular e como chegar à definição da sua capacidade produtiva, chegou a hora de colocar os conhecimentos em prática.

Salve esse post para ler e reler quantas vezes precisar e volte sempre ao nosso blog para conferir outras dicas que, como essa, vão te ajudar a melhorar a gestão do seu negócio.

Inclusive, essa é a próxima leitura que recomendamos para você: Dicas para escolher os melhores equipamentos para padaria.

Até mais!

Deixe um comentário